Pages

16 de janeiro de 2011

Sucesso de séries na TV aberta dá destaque a trabalho de dubladores

Se você estiver vendo a série "Bones" na Band e ouvir uma voz familiar na personagem principal, deve ter assistido a algum desenho da Turma da Mônica recentemente. Ou então ao filme "Menina de Ouro", de Clint Eastwood.

A atriz Marli Bortoletto responde pela dublagem de Hilary Swank e também pela da baixinha dentuça criada por Mauricio de Sousa.

Seu parceiro em "Bones" é Affonso Amajones, que faz a voz do agente do FBI Seeley Booth. Embora os dois sejam inseparáveis no seriado, a vida real tem roteiro diferente.

Cada ator grava as falas em separado. Só no final eles reúnem o material. "Nem vejo a Marli", diz Amajones.

Ela conta que eles se falam por telefone sobre os personagens, mas que a rotina da dublagem não permite que os diálogos sejam feitos em conjunto. "Até para poder fazer com uma qualidade de áudio maior precisamos gravar separados. Mas sempre ouço o que Affonso fez se ele grava antes de mim."

O ideal de um dublador é que o trabalho não seja notado. "Se a dublagem salta, é porque está ruim", define Nestor Chiesse, responsável pelo Dexter do seriado homônimo na RedeTV!.

Já Amajones diz que não se prende ao que está escrito: "Não fico escravo do texto. Deixar mais coloquial ajuda o público a pensar que alguém está falando com ele".

PORCO OU ZUMBI

Mesmo com a internet, os atores quase nunca veem os episódios antes de gravar. Só na hora ficam sabendo qual é o trabalho. "Pode ser novela, documentário, um porquinho, um zumbi", diz Chiesse.

Também não recebem o roteiro antes. No estúdio, têm disponíveis apenas o original e as falas traduzidas. É assistir ao original e gravar.

"Nossa referência é o que o estrangeiro fez. O que me interessa é a linha de interpretação que ele deu, para eu fazer o mais próximo possível, só que com o nosso molho", conta Márcio Simões, que, entre outras vozes, assumiu o Jack Bauer de "24 Horas".

Mas, às vezes, não ter as informações com antecedência dificulta. "No caso do Coringa em 'Cavaleiro das Trevas', a cópia de trabalho veio somente com uma abertura no rosto dos atores para podermos ver a boca. Um papel difícil como aquele ficou ainda mais complicado."

Sem tempo de preparação, é necessário entrar no clima do personagem. "O que mais faz diferença é entrar na respiração do ator. Isso por si só já dá uma voz diferente da do dia a dia. O Phil de 'Modern Family' tem voz de bobão, não bate com a voz do Dexter", exemplifica Chiesse, que é dono das duas vozes.

Marli também conta que teve de fazer um estudo para achar o tom da dra. Brennan de "Bones". "Sou suave e doce. Ela é racional e seca. Aos poucos, fui afinando isso."

Algumas séries tiveram a dublagem transferida para o Rio após disputa de profissionais de São Paulo por direitos autorais. Entre elas, estão "24 Horas" e "Lost".

Sorte de Philippe Maia, escolhido para ser o Jack Shephard (Matthew Fox) da última. "Ele não é careteiro, então precisa de cuidado", conta Maia, que ganhou o papel desde o terceiro ano.

MAL PAGO

Para ser dublador no Brasil, é preciso ser ator. Normalmente, são autônomos e ganham por hora a partir de uma tabela fixa.

Por isso todos fazem audiolivros, comerciais, locução para TV e rádio, filmes, séries, desenhos, ou seja, o que aparecer.

A série garante um tempo do sustento, porque cada temporada leva cerca de dois meses para ser dublada. Mas há casos como o de "Dexter", em que 12 episódios foram feitos em quatro dias.

"Dublagem é técnica. Você apanha no início para pegar o jogo do olhar na tela e no texto e o sincronismo dos lábios", diz Luiz Antônio Lobue, o House nacional.

"Mas, por exemplo, para fazer 'Dexter' inteiro, ganhei o mesmo que em um comercial de carro de dez segundos em que eu tinha só uma fala", diz Chiesse. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/860910-sucesso-de-series-na-tv-aberta-da-destaque-a-trabalho-de-dubladores.shtml

1 comentários:

Postar um comentário