Pages

12 de abril de 2011

Há 50 anos, a humanidade chegava ao espaço

Foi um feito histórico que durou 108 minutos, sendo 89 deles efetivamente no espaço. Viajando a cerca de 27.400 km/h, o sorridente cosmonauta russo Yuri Gagarin deu a volta completa à Terra há exatos 50 anos. Ele atingiu 327 km acima do nível do mar a bordo da nave Vostok-1.

Gagarin também foi o primeiro homem a ver a Terra do espaço. “Eu estou vendo a Terra e ela é tão bonita!”, disse, durante seu voo. O anúncio foi ainda mais eletrizante por ter ocorrido plena Guerra Fria. O voo histórico tornou de Gagarin, de 27 anos, em herói internacional.

Dois dias após o retorno da Vostok-1 Gagarin foi a Moscou, onde apareceu na sacada do Kremlin ao lado do premiê Nikita Kruchev. O cosmonauta, que quarenta e oito horas antes era um desconhecido, tornara-se o homem mais famoso do planeta. Após a aclamação em casa, ao lado do líder máximo da União Soviética, Gagarin embarcou numa turnê pelo globo, atraindo multidões ávidas para vê-lo e saudá-lo.

Foi um feito incrível. A agência espacial americana teve que se apressar para enviar o primeiro astronauta americano ao espaço. Em maio de 1961, Alan Shepard realizadou um voo suborbital, que não atingiu a mesma altitude da Vostok 1. Foi somente em fevereiro de 1962 que outro astronauta, John Glenn, tornou-se o primeiro americano a repetir o feito russo, percorrendo a órbita terrestre.

Alto risco
Há 50 anos, muitos cientistas acreditavam que seres humanos não seriam capazes de sobreviver às condições do espaço. “Alguns psicólogos e outros cientistas diziam que humanos poderiam enlouquecer ao encarar o universo infinito”, disse Boris Chertok, que trabalhou com Sergei Korolyov, considerado o pai do programa espacial russo.

Os desafios tecnológicos também pareciam desanimadores. Inúmeras falhas de equipamento afetaram missões experimentais anteriores ao voo de Gagarin. "Nós percebemos que os riscos eram muito altos", disse Chertok à repórteres, na semana passada.

Chertok, de 99 anos, afirmou que a equipe soviética fez o possível para minimizar riscos, embora tenha admitido que eles continuavam altíssimos para os padrões dos programas espaciais modernos. Ele disse que a autorização para um voo como o de Gagarin dificilmente ocorreria nos dias de hoje. A nave Vostok sequer era capaz de pousar em segurança: Gagarin lançou-se de paraquedas durante a descida, a uma altitude de 7 km. Ele chegou ao solo vários minutos depois de sua cápsula.

Oleg Ivanovsky, que supervisionou a construção e o lançamento da nave espacial Vostok, declarou que a avaliação de risco da missão via 50% de chance de êxito. Tanto que as autoridades soviéticas já haviam preparado diversas versões de comunicado contando ao mundo sobre o voo: uma no caso de sucesso, outra no caso de Gagarin ter de pousar em outro país e uma terceira, caso a missão fosse um fracasso completo .

Sigilo
Os soviéticos estavam tão obcecados com o sigilo que mentiram a respeito da localização da plataforma de onde o foguete seria lançado. No entanto, aviões de espionagem americanos já a haviam fotografado, algum tempo antes.

“O relatório do governo não informava de onde Gagarin seria lançado, nem em que foguete. Também foram ocultados detalhes de seu retorno”, disse Chertok. “O segredo era excessivo”.

Enquanto Gagarin sorria e se tornava garoto-propaganda do comunismo, os cientistas que trabalharam no projeto permaneciam anônimos. Outra questão que ainda continua nebulosa é a morte de Gagarin durante um voo realizado em março de 1968, estimulando teorias de conspiração envolvendo a KGB.

No comando de um MiG-15 bimotor de treinamento e acompanhado por instrutor, Gagarin se acidentou em Moscou, em circunstâncias que não foram bem esclarecidas até agora. Na semana passada, um relatório foi divulgado pelo governo russo sugerindo que Gagarin teria perdido o controle do avião ao se desviar de um balão meteorológico.

Hoje, mais de 500 pessoas já viajaram pelo espaço, representando mais de 30 países. A conquista soviética de 1961 levou os Estados Unidos a assumir o compromisso de levar um homem à Lua antes do fim da década de 60. Compromisso que culminou com o pouso de Neil Armstrong e Buzz Aldrin no satélite natural da Terra em 1969, e na vitória final dos EUA na corrida espacial.

A altitude máxima atingida por Gagarin em seu voo histórico foi de 327 km. Hoje, a Estação Espacial Internacional (ISS) circunda a Terra a uma altitude média de 350 km.

Nos últimos 40 anos, a humanidade foi à Lua e voltou. Hoje, no entanto, não é capaz de ir muito mais longe de casa do que o pioneiro de meio século atrás. Fonte

0 comentários:

Postar um comentário