Pages

21 de junho de 2011

David Coimbra: Eu não tenho turma

"Não, eu não quero ter turma. Não quero votar em lista. Quero poder apontar exatamente para onde vai o meu voto: para aquele ali. Pronto. Eu decido o mala que vai falar por mim." (David Coimbra)

David Coimbra
Foto: Blog Coordenação do Livro e Literatura

O jornalista David Coimbra do jornal Zero Hora (Grupo RBS) de Porto Alegre escreveu um texto polêmico na sexta-feira, 17 de junho, em que ofende e critica partidos, ambientalistas, religiosos... ao chamá-los de MALAS.

O tema do assunto eu conheci através do twitter do jornalista Carlos Guimarães da rádio Band AM e Ipanema FM de Porto Alegre.

Confira na íntegra a coluna:

"Os petistas são uns malas. Os ecologistas inimigos dos sacos plásticos, os budistas meditadores, os (cruzcredo) veganos, as feministas, os defensores dos animais, todos esses são uns malas. Insuportavelmente malas também são os evangélicos, os mórmons de camisa de manga curta, os católicos recitadores da Bíblia, os liberais de fóruns e os idiotas que suspiram pela ditadura. Malas, e além de malas tacanhos atrasados, são os racistas de qualquer cor, mas alguns integrantes do Movimento Negro também sabem ser malas.

Os antitabagistas são malíssimos e a Massa Crítica aquela é uma mala pedalante. Os malas modelo 2011 saltaram de um repositório de malas: a Academia. São os linguistas e intelectuais que juram que há quem sofra com o “preconceito linguístico”.

Eu aqui bem posso ser um tremendo mala, mas pelo menos não fico tentando cooptar os outros para a minha malice, nem crio sites em defesa da minha malice, nem saio a gritar que a minha malice é a salvação do planeta. Vocês, malas organizados, fazem isso. Não me encham o saco, seus malas!

Eu não tenho turma, eu não quero ter turma, com exceção das pessoas de quem gosto, que não formam uma associação, que não são ONG (malas!), nem movimento de coisa nenhuma.

Esses malas idealistas dizem que tudo é ideologia. NÃO É. Tudo pode ser político, inclusive ser apolítico, mas nem todo mundo tem ideologia. Porque ter ideologia significa, SIM, ser alinhado, ter uma escola de pensamento ou algo que o valha. Eu não sou alinhado com escola nenhuma. Quero poder criticar e elogiar a quem e o que bem entender, quero ter independência no meu julgamento sem ser classificado, rotulado e identificado com o que quer que seja.

Tempos atrás, quando trabalhava na política, concordava com os políticos quando eles diziam que os partidos têm de ser valorizados. Que valorizar o partido é fortalecer a democracia. Concordava com isso. Hoje nem tanto. Por quê? Por causa dos malas dos partidos.

Quais são os partidos mais orgânicos do Brasil? Os malas do PT e os malas do DEM, esse legítimo herdeiro da ditadura militar. Mas quem é o PT e quem é o DEM? O PT é o PT do Raul Pont ou o do Palocci? Do Olívio Dutra ou o do Zé Dirceu? E o DEM? É o DEM gaúcho ou o do Nordeste profundo do Brasil?

Alguns partidos tentam, mas não conseguem ser turma. Outros nem tentam. Então, se for votar “em lista”, como pretendem alguns ao propor a reforma política, vou votar em quem? Em que turma?

Não, eu não quero ter turma. Não quero votar em lista. Quero poder apontar exatamente para onde vai o meu voto: para aquele ali. Pronto. Eu decido o mala que vai falar por mim."
Fonte

Resposta do coordenador do curso de Jornalismo da PUC-RS, Vitor Necchi, AQUI.

0 comentários:

Postar um comentário