Pages

27 de maio de 2012

Pesquisadores apontam que o cérebro multitarefas e eficiente é um mito

Você costuma trabalhar, ouvir música, conversar com amigos pela internet, postar coisas no Twitter e acompanhar as novidades no Facebook, tudo ao mesmo tempo?

Se a resposta for sim, a ciência tem uma notícia ruim para você. A ideia de que somos plenamente capazes de fazer várias coisas ao tempo, hoje mais difundida do que nunca graças à dependência às redes sociais que nós, pessoas de bem, desenvolvemos, é MITO.

“Uma década de pesquisas mostra que o dom das multitarefas – a capacidade de fazer várias coisas simultaneamente, com eficiência e bem-feitas – é um mito. O cérebro não foi projetado para atentar para duas ou três coisas simultâneas. Ele é configurado para reagir a uma coisa de cada vez”, dizem os pesquisadores Stephen Macknik e Sandra Blakeslee no livro “Truques da Mente – O que a mágica revela sobre o nosso cérebro”.

Você pode argumentar que seu caso é diferente porque você faz isso há anos e dá certo. Não é que seu cérebro seja incapaz de executar várias coisas ao mesmo tempo, mas ele não consegue fazer com eficiência.

Tanto é que no Brasil, por exemplo, dirigir falando ao celular sem o uso de viva-voz é considerado infração de gravidade média e está sujeito a multa pelo Código Nacional de Trânsito. Segundo pesquisas, quem fala ao telefone enquanto dirige, mesmo que usando acessórios que liberam as mãos, está tão incapacitado quanto uma pessoa bêbada.

Isso porque, quando presta atenção à conversa telefônica, o cérebro meio que “diminui o volume” das áreas visuais. O mesmo ocorre quando estamos checando o e-mail ou jogando videogame, alguém começa a falar e você, sem ouvir uma palavra, só fica lá concordando com tudo.

O livro cita Clifford Nass, professor de Comunicação da Universidade Stanford, que diz que os adeptos crônicos da multitarefa “são tarados pela irrelevância”, porque “tudo os distrai”. Sem muito autocontrole, eles são incapazes de ignorar estímulos, mas, por outro lado, também não conseguem se lembrar delas tão bem quanto os mais focados.

Por que isso acontece? Outro colega de Macknik e Blakeslee, chamado Russ Poldrack, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, mostrou que quando estamos distraídos usamos o “corpo estriado”, uma região do cérebro envolvida na aprendizagem de novas habilidades.

Quando estamos concentrados, outra região é que entra em jogo: o hipocampo, relacionado à armazenagem e recuperação das informações. Por isso é que muitas vezes, depois de ler mil coisas ao mesmo tempo na internet, acabamos fazendo a triste constatação de que, embora tudo parecesse novo e interessante, não guardamos quase nada na memória.

“Quando nos esforçamos a exercer uma multiplicidade de tarefas, talvez estejamos contribuindo para que percamos eficiência a longo prazo, ainda que às vezes pareçamos estar sendo mais eficientes”, disse Poldrack.

Fica a lição do livro para nós: “Quando uma lista de tarefas tem páginas de comprimento, você pode sentir a tentação de fazer duas ou mais coisas de cada vez (…). O provável é que não execute nenhuma das duas tarefas. Para ter um desempenho melhor, faça uma coisa de cada vez.” Fonte

0 comentários:

Postar um comentário