Pages

13 de outubro de 2015

A segunda chance

Foto: Ivan Sgarabotto

O tempo passa e algumas feridas permanecem, talvez com o passar dos dias ou anos, os machucados cicatrizem. Percebo que no decorrer da vida, o individualismo está deixando muitas pessoas reféns de si própria.

É preocupante notar que o ser humano está se perdendo no caminho e não se importa com o outro. É assustador acompanhar as maldades das pessoas, e diante dessas atitudes ruins, agem como se fossem boas e normais. Motivações que independem da distinção de sexo, idade, raça, crença religiosa ou posição social.

Por mais que a sociedade se mostre evoluída, ela está mais sozinha e desperdiça as segundas chances. Esta é uma dificuldade incompreensível, ainda mais quando existem tentativas de derrubadas ou falsidades, com atos nojentos e inexplicáveis. Quem sabe é partir deste quesito de momentos complicados, que o individualismo se torne uma justificativa, o que é errado ou dever ser. Não que o mundo esteja perdido e chato e não está, mas, as atitudes estão no mínimo confusas e estranhas.

Uma das situações que mais chama atenção é também ouvir que a pessoa não muda e não adianta tentar, porque sempre foi assim e será até o final. Cada um tem o seu jeito e uma adaptação não deveria ser ruim, e sim; bem melhor para o próprio convívio e aprendizado. Simplesmente é uma segunda chance, porém, as pessoas estão se autodestruindo por acharem melhor desperdiçarem as oportunidades, o que é uma pena. Boa sorte para quem age diferente.

Por: Ivan Sgarabotto

0 comentários:

Postar um comentário