Pages

27 de fevereiro de 2011

O mestre da literatura Moacyr Scliar morre aos 73 anos de idade

O último domingo do mês de fevereiro de 2011 está de luto e sem palavras, neste dia 27, morreu aos 73 anos de idade por falência múltipla de órgãos devido às consequências de um acidente vascular cerebral (AVC), o escritor gaúcho Moacyr Scliar, ele estava internado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, desde o dia 11 de janeiro.

É difícil de imaginar uma pessoa que não tenha lido e "saboreado" sequer uma obra do escritor gaúcho, de Porto Alegre. Moacyr Scliar publicou mais setenta obras, destaques para a literatura infanto-juvenil, romances, ensaios, contos e crônicas. O ciclo das águas, O exército de um homem só, A estranha nação de Rafael Mendes e O centauro no jardim são as obras mais conhecidas do escritor.

O cronista do jornal Zero Hora também teve duas adaptações no cinema Um sonho no caroço do abacate (1999) e Sonhos Tropicais (2002). O escritor recebeu três vezes o Prêmio Jabuti de Literatura (1988: categoria Contos, Crônicas e Novelas; 1993: categoria Romance e 2009: categoria Romance) e em 1989 também recebeu os prêmios APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) da categoria literatura e no Casa de las Americas na categoria contos.

Confira a última crônica de Moacyr Scliar no jornal Zero Hora, 15 de janeiro de 2011.

Anorexia e inteligência

A notícia chegou com atraso e deu um toque melancólico à passagem do ano: morreu a modelo e atriz francesa Isabelle Caro que,numa foto famosa,mostrou seu corpo magérrimo (pesava menos de 30 quilos) devastado pela anorexia nervosa, da qual ela, como muitas outras garotas,foi vítima. Fez disso uma causa, inteiramente justificada quando se considera as pressões exercidas, sobretudo sobre modelos, para que tenham um corpo delgado. Isabelle defendeu essa causa com coragem e com inteligência.

Por coincidência, no mesmo dia em que foi anunciada sua morte, era divulgado um estudo publicado na revista inglesa de psiquiatria Annals of General Psychiatry mostrando que pessoas com anorexia nervosa têm quociente de inteligência (QI) superior ao da população em geral.Não chega a ser novidade; outros estudos já haviam chegado à mesma conclusão.A pergunta se impõe: como se explica que pessoas inteligentes adotem o comportamento doentio que as leva a recusar o alimento, chegando ao extremo da completa desnutrição?

A resposta é óbvia. Inteligência não é a mesma coisa que equilíbrio emocional. Inteligência refere-se ao raciocínio, ao entendimento; situa-se no plano do intelecto.O equilíbrio emocional resulta da capacidade que todos temos, em maior ou menor grau, de lidar com nossos impulsos,positivos ou negativos.Por causa disso muitos autores propuseram expressões que unissem inteligência e controle emocional.Já no começo do século passado Edward Thorndike falava em“inteligência social”; em 1975 Howard Gardner introduziu a ideia de que inteligência não é uma coisa só,que há vários tipos de inteligência,incluindo a inteligência que permite a uma pessoa entender a si própria, seus sentimentos, temores,motivações; nos anos 90 surgiu o conceito de inteligência emocional popularizado pelo psicólogo (e colaborador do New York Times) Daniel Goleman, autor do best-seller Emotional Intelligence: Why It Can Matter More Than IQ (Inteligência emocional: porque ela é mais importante que o QI).

Isto não significa ignorar a inteligência no seu conceito clássico.O trabalho citado também mostrou um fato interessante: as pessoas que se recuperaram da anorexia nervosa tinham QI mais alto.Ou seja, a inteligência talvez ajude os anoréxicos a combater eficazmente seu problema.Como em tudo na vida,o binômio inteligência-equilíbrio emocional é aí fundamental. Uma conclusão que Isabelle Caro sem dúvida endossaria.

0 comentários:

Postar um comentário