Pages

29 de março de 2011

Doda foi responsável por censura, segundo diretor da "Caras"


O diretor da editora Caras, que publica a revista de mesmo nome, Luis Maluf, confirmou à Folha que foi o cavaleiro Álvaro Affonso de Miranda Neto, 38, o Doda, quem pediu à Justiça que impedisse a publicação de veicular uma suposta carta de suicídio da atriz e escritora Cibele Dorsa, 36.

A revista publicou uma nota em seu site na noite de segunda-feira (28) na qual afirma estar sofrendo censura na cobertura da morte.

"Se não ter o direito de publicar alguma coisa específica por ordem judicial é censura, então estamos sendo censurados", diz Maluf, que confirmou que trata-se de uma ordem judicial conseguida por Doda, ex-companheiro de Cibele com que tem uma filha, Viviane, 11.

A "Caras" afirma ter recebido uma carta de Cibele, enviada por ela à revista poucos antes de sua morte. O site da "Caras" publicou diversas partes da carta, inclusive acusações pesadas contra Doda.

"Com a edição já na gráfica, recebemos uma ordem judicial que nos impedia de mencionar o nome do marido de Athina Onassis de forma direta ou indireta, seja em reproduções das mensagens de Cibele Dorsa, seja em textos de nossa autoria. Também recebemos um prazo de 12 horas para remover tudo o que havíamos publicado em nosso site a esse respeito", contou Maluf.

"A revista recebeu a ordem judicial ontem à noite, quando era inviável tomar alguma providência, mas hoje já está tomando as medidas legais cabíveis e recorrendo dessa ordem judicial, que consideramos totalmente inadequada, uma vez que contraria a plena liberdade de imprensa vigente em nosso país. Infelizmente, já sofremos os prejuízos gerados por essa ordem", completou.

O diretor da publicação disse ainda que pretende recorrer da decisão judicial.

MORTE

Cibele caiu da janela de seu apartamento, no bairro Real Parque, em São Paulo, na madrugada do último sábado. A morte é investigada como suicídio.

Em janeiro, o noivo dela, Gilberto Scarpa, 27, cometeu suicídio do mesmo local.

Ontem, Doda divulgou um comunicado oficial no qual lamenta a morte de Cibele.

Em 23 de fevereiro passado, após a morte de Scarpa, a mesma revista publicou uma entrevista com Cibele na qual ela elogiava o ex-companheiro: "Doda contratou um serviço de homecare para que eu me sentisse melhor e o mais apoiada possível. Mesmo de longe, ele fez de tudo".

Procurado pela Folha, o assessor de Doda disse que ele não irá mais comentar o assunto. Fonte

0 comentários:

Postar um comentário