Pages

12 de julho de 2014

Ativista Sininho é presa na capital gaúcha

Foto: Fernando Frazão / ABR

Dezenove ativistas foram detidos hoje (12) por suspeita de envolvimento em atos violentos durante protestos nos últimos meses no Rio. A ação, deflagrada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, cumpriu mandados de prisão temporária, expedidos pela 27ª Vara Criminal da Capital.

Os detidos foram levados para a Cidade da Polícia, no bairro do Jacaré, subúrbio da cidade. Um professor de História, cujo nome não foi divulgado, foi detido em casa, na Urca, zona sul carioca. No imóvel, a polícia encontrou uma máscara de proteção contra gás lacrimogêneo. Em Porto Alegre, a polícia prendeu hoje cedo, na casa do namorado, a ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, que deve embarcar no final da tarde no Aeroporto Salgado Filho com destino ao Rio, escoltada por policiais civis fluminenses para cumprir o mandado de prisão temporária expedido pela Justiça.

Computadores, laptops e até material explosivo foram apreendidos durante a ação, segundo a Polícia Civil. A corporação vai detalhar, em entrevista coletiva na Cidade da Polícia, o motivo da realização da operação no fim de semana, um dia antes da final da Copa do Mundo. O chefe da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, e o titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, Alexandres Dias, que coordenou toda a operação, falarão com a imprensa no começo da tarde.

Neste domingo (13), há dois atos contra a Copa programados pelas redes sociais no Rio. A concentração do ato organizado pelo Comitê Popular da Copa será às 10h, na Praça Afonso Pena, na Tijuca, zona norte da capital fluminense. A final está marcada para as 16h, no Estádio do Maracanã, entre Alemanha e Argentina. O comitê tem ido às ruas desde antes do início da Copa. Entre as reivindicações do grupo, estão o fim dos despejos e remoções forçadas, a desmilitarização das polícias e democratização dos meios de comunicação.

Também no Rio de Janeiro, a Frente Independente Popular convoca, pelo Facebook, a Grande Manifestação Fifa Go Home! Não vai ter final!, com concentração às 13h, na Praça Saens Peña, também na Tijuca. O ato será contra os gastos públicos com a Copa, as remoções, a opressão de gênero e raça e segregação nos estádios. Na mesma hora e local, a Associação de Defesa da Favela Chapéu Mangueira se juntará ao protesto, com o slogan A Festa Nos Estádios Não Vale as Lágrimas Nas Favelas, contra a opressão histórica nas comunidades faveladas.

Com informações da Agência Brasil

0 comentários:

Postar um comentário